Viver com propósito

dezembro 6, 2009

Há um momento na vida de todos nós, em que paramos para refletir se o que estamos fazendo é realmente aquilo que gostaríamos de fazer. Refletimos se fizemos as escolhas certas, ou se ainda há tempo para alterar o nosso caminho e procurar aquilo que deixamos para trás. Questionamos à nós mesmos se estamos vivendo com um real propósito e amor, tanto pela forma como estamos vivendo como pelas coisas que fazemos diariamente.

Quantas vezes nos perguntamos: – “Puxa, na verdade, eu gostaria de estar fazendo … ” (e aqui, cada um completa a frase conforme os seus objetivos). Mas, enfim, necessitamos fazer aquilo que estamos fazendo pois precisamos pagar as contas, honrar os compromissos, ou seja, sobreviver. A responsabilidade em trabalhar e ganhar dinheiro para trazer o sustento à nossas lares e familares é pesado o bastante para nos manter prisioneiros de uma vida que nos causa angústia, frustração e nos tornam pessoas infelizes.

Quantos de nós já pensamos em que poderíamos estar fazendo “mil coisas”, e realizando atividades que realmente amamos, sejam elas profissionais ou sociais, contudo não o fazemos por pura falta de tempo. Tempo é o recurso e “combustível” essencial e indispensável, pois é ele que nos concede a liberdade para nos dedicarmos a qualquer tarefa.

Por outro lado, é a ausência de tempo que nos afasta de tudo o que mais amamos e nos leva para longe do que mais importa para nós. Você desejaria estar fazendo um curso ? Mas, não o faz pois não têm tempo. Você gostaria de passar mais tempo com seus filhos ? Sim, porém sua vida é muita agitada e corrida, e não sobra tempo. Você gostaria de conhecer lugares novos, visitar familiares distantes ou cuidar mais de sua saúde? Sim ! Porém, não sobra tempo …

Quão triste é essa situação !

Nosso dia que, para todos nós, contém apenas 24 horas, é utilizado em grande parte para o trabalho e transporte diário. A outra grande parte do dia, geralmente (para aqueles que têm este privilégio) é utilizado para o sono e descanso, afim de proporcionar a recuperação para o dia seguinte. Quanto tempo resta, durante cada dia, para fazermos aquilo que gostaríamos de estar fazendo ? Muito pouco, ou nenhum …

Quando me deparei com esta questão, compreendi que a saída seria buscar uma forma que pudesse obter o sustento diário de uma forma que o consumo de tempo fosse mínimo. A idéia é diminuir o tempo gasto para ganhar o que quase todos nós procuramos: o dinheiro. Afinal, é através do dinheiro que adquirimos todos os elementos necessários à nossa sobrevivência e bem estar. O ponto principal é que, a maioria de nós, sempre trocamos tempo por dinheiro. Ou seja, trocamos uma certa quantidade de tempo por uma certa quantidade de dinheiro. É isto que acontece com todos aqueles que desempenham um trabalho sob o vínculo de empregados, ou funcionários de uma empresa.

O grande problema é que o tempo é limitado, e quando não resta mais tempo que possa ser trocado por mais dinheiro, chega-se ao limite daquilo que é possível ganhar em quantidade de dinheiro. Imaginemos, por exemplo, que um trabalhador obtenha um emprego que pague 1.500 por mês, para uma jornada de trabalho de 44 horas semanais. Isto dá 176 por mês, e cerca de 8 horas diárias. Para muitas pessoas que precisam utilizar meios de transporte para locomoverem-se até o local de trabalho, o tempo gasto com este trabalho pode subir para 10, 12 ou mais horas por dia. Considerando que o dia têm 24 horas, chegamos à conclusão de que metade do dia já foi consumido pelo trabalho, restando por volta de 12 horas para: alimentação, descanso (dormir), e compromissos pessoais e familiares que precisam de atenção. Mesmo com o tempo restante, nem sempre temos a disposição que gostaríamos para cumprir outras atividades que necessitam de nossa atenção, como estudos ou participar ativamente da vida familiar.

Assim, o ciclo se repete no dia seguinte, e a busca constante pela sobrevivência nos mantém escravizados, em uma rotina que evita vivermos mais intensamente e com maior dedicação ao que realmente têm importância para nós. Sobreviver passa a ser nosso principal e maior objetivo, mesmo que para isso tenhamos que abrir mão de todos os nossos sonhos e ideais. Simplesmente, deixamos de lado anseios e propósitos, por mais nobres e dignos que sejam, e enterramos nossas habilidades e dons, pois a missão de pagar as contas todo o fim de mês estabeleceu-se como o objetivo central e quase exclusivo.

Contudo, não precisa ser assim. Existe uma alternativa. Há uma escolha, que podemos fazer, e trilhar por um caminho diferente, conduzindo a vida por rios mais tranquilos.

É disso que desejo falar no próximo post.

Tempo e qualidade de vida

novembro 23, 2009

A qualidade de vida está intimamente ligada ao fator “tempo”. Podemos notar que a maior quantidade de tempo disponível pode favorecer o aperfeiçoamento, o aprimoramento, de quaisquer conhecimentos, habilidades ou relacionamentos. Podemos fazer mais coisas, e mais bem-feitas. Em geral, tudo onde ofertamos tempo recebe benefícios e é engrandecido. Através do tempo, também, normalmente demonstramos aonde está nosso foco e em quê dedicamos importância.

 

Quando trabalhamos com o único objetivo de sustentar-nos e pagar nosso custo de vida, limitamos nosso tempo para este fim, e quase sempre, este trabalho não está alinhado com aquilo que consideramos nosso propósito de vida. Trabalhando exclusivamente para pagar contas e sobreviver, atrofiamos nosso poder criativo e de inovação, e essa é infelizmente a situação da maioria dos seres humanos.

 

Temos aprendido que é possível gerar o que é conhecido como “renda passiva”, através de investimentos, onde um destes investimentos é o negócio próprio. E podemos fazer isso através de um modelo de negócios que dispense nossa presença física e que não esteja diretamente relacionado ao consumo de tempo, ou seja, o potencial de ganho não está ligado a quantidade de tempo despendida, tal como acontece com o vínculo “CLTista” tradicional por exemplo (“X” horas/mês, em troca de “X” R$ / mês).

 

Implementando nosso próprio negócio, podemos em um primeiro momento bancar nosso custo de vida, sem que para isso precisemos desprender 8, 10, 12 ou mais horas diárias. E em um segundo momento, tais negócios serão ou estarão valorizados a ponto de serem vendidos, por exemplo. Todo o tempo livre que será gerado, através de um negócio auto-sustentável,  ou de um negócio no qual nós sejamos os donos – tendo pessoas que trabalhem para nós regularmente –  irá nos proporcionar o tempo necessário para dedicar-nos ao que realmente importa para nossa existência nesta Terra.

 

 

 

 

 

 

 

Empenho, perseverança e dedicação

novembro 23, 2009

Olá pessoal,

Gostei bastante desta notícia publicada hoje no site do UOL:

http://noticias.uol.com.br/ultnot/internacional/2009/11/23/ult1859u1883.jhtm

Abraço

Trabalhar, trabalhar, trabalhar … ou aproveitar ?

outubro 24, 2009

Trabalhar, trabalhar, trabalhar …. ou aproveitar a vida ?

Eis o grande dilema.

Mas o que é aproveitar a vida ?

Todos nós conhecemos pessoas que trabalham muito, bastante mesmo, e que levantam de madrugada para ir ao trabalho e retornam para cada só à noite. Pessoas que trabalham no final de semana, nos feriados, durante várias horas no dia.

O dia, a semana, o mês e o ano passam, e a rotina continua sempre a mesma. Estas pessoas são até mesmo criticadas por aqueles que defendem um estilo de vida mais ameno, com mais tempo livre para dedicação a outras áreas da vida, como a família, o lazer, o entretenimento. Mas, existe um estilo de vida que seja perfeito ou, que seja certo ou errado ?

Conheço pessoas que mantém um estilo de vida, no qual trabalham apenas algumas horas por semana, e que mantém um padrão de vida suficiente para ter uma convivência intensa com a sociedade e com sua família. São pessoas que criam e cultivam relacionamentos duradouros, que participam ativamente de seu lar, junto com seus cônjuges e filhos, e que enfim, vivem com harmonia em todas as áreas de sua vida.

Ou seja, como buscar o ponto de equilíbrio, entre o trabalho e o lazer com vida social saudável ?

Ainda não alcancei esta situação de perfeição, mas é algo possível, pois várias pessoas já conseguiram, e assim, qualquer um de nós também podemos conseguir. Talvez, você não esteja satisfeito com a forma como vêm vivendo. Talvez, as coisas já não façam mais sentido para você, como antes. O dinheiro, o status social e os bens podem não mais estar preenchendo o vazio e a sensação de que alguma coisa ainda falta, para você sentir-se feliz e vivendo com sentido.

A felicidade não poderá vir através das coisas que obtemos materialmente, pois essas coisas não têm a capacidade de nos manter satisfeitos permanentemente, mas sim de forma passageira. Se algum bem ou objeto nos traz prazer, tal prazer será momentâneo e logo esse prazer será substituído pela ansiedade de se possuir ou conquistar um novo objeto de desejo.

Nem todo o tesouro material deste mundo nos poderá trazer aquilo que somente obteremos no interior de nós mesmos: a alegria de viver intensamente aquilo para o qual viemos fazer neste mundo. Nosso coração estará sempre aonde também está a nossa riqueza.

A todo momento, vemos exemplos e conselhos sobre como devemos viver, ou como devemos ser. Ouvimos diversas opiniões e dicas de outras pessoas, pois as pessoas de um modo geral gostam de falar sobre o que elas pensam ser a forma ideal ou correta de se obter alguma coisa, seja sucesso, seja dinheiro ou qualquer outra coisa que considerem importante. Assim, antes de tudo, o principal não é saber como fazer para alcançar um desejo ou objetivo – é preciso decidir primeiro o que é que você quer.

O que você quer alcançar ? Aonde você quer estar ? Quem você quer ser ?

Não precisamos mais ser aquilo que as pessoas querem que sejamos, ou acreditar naquilo que as pessoas afirmam ser o melhor para nós, pois as únicas pessoas que podem saber o que nós queremos somos nós mesmos.

Há muitas pessoas nesse mundo que entram em profunda tristeza e desânimo, por acreditarem naquilo que outras pessoas falam sobre elas. Não dê crédito naquilo que a outras pessoas falam sobre você ou sobre aquilo que elas falam que você é. Você é aquilo que você realmente é, e Deus é o Único que sabe completamente – e de maneira perfeita – quem é você e como você é – somente Deus sabe e conhece as profundezas de cada um de nós, pois Ele vê o que ninguém vê – Ele conhece o que está escondido no interior de cada uma das pessoas, e sonda os pensamentos e intenções do coração.

Nossa vida é cheia de preocupações, obrigações e afazeres. Somos tomados por várias coisas que nos levam o tempo embora, e temos a sensação de que não conseguimos dar atenção para tudo aquilo que gostaríamos. Tente prestar atenção em seu dia-a-dia, e observe tudo que você vêm fazendo. Sempre existe algo que estamos fazendo e que não é tão importante assim, e isto pode dar lugar a outra atividade mais importante, como por exemplo, ter um pequeno tempo para refletir sobre o que realmente importa para você.

Não permita mais que as pessoas digam que “aquilo ou isso” é melhor ou pior para você, sem que você tenha primeiro o tempo para decidir o que realmente importa para a sua vida, e tempo para refletir sobre aquilo que lhe disseram e se isso vai ao encontro de seus ideais, de seus sonhos e de seus propósitos para sua vida. Em muitas situações, aquilo que é “Bom” para alguém pode não ser bom para você. Se uma pessoa trabalha demais, não significa que você também deve trabalhar demais. Ou, se uma pessoa fica tempo demais sem fazer nada e ela acha isto muito bom, não significa que para você também é bom passar muito tempo sem ter qualquer atividade e viver ociosamente.

Saiba aproveitar intensamente cada minuto de vida, e para isso ser possível, decida antes sobre aquilo que faz sentido para você. Decida sobre o que é importante de verdade, e você começará a entender que a quantidade do tempo que você dedicará ao que é importante passará a ser cada vez maior. E o tempo – cada vez maior que você irá dedicar para viver aquilo que importa e lhe interessa será uma das testemunhas que você está vivendo como uma pessoa realmente feliz.

“Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”

(Mateus 6:21)

Há o tempo certo para todas as coisas

outubro 24, 2009

“Nos apreciamos o calor porque já sentimos frio. Apreciamos a luz porque já estivemos no escuro. Como prova do que digo, podemos experimentar a felicidade porque já conhecemos a tristeza.”

David L. Weatherford

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.

Eclesiastes 3:1

Salmo 24

outubro 21, 2009

O Salmo 24 é um salmo lindo, que relata toda a majestade, glória, onipotência e beleza do Senhor Deus. Tenhamos a oportunidade, a cada dia, de contemplar as maravilhas que o Senhor têm feito, faz e ainda fará em nossas vidas. dEle, do SENHOR, é a terra, o céu e o mar, e todos os seres que neles habitam. Quer vivamos, quer morramos, somos do Senhor. Como disse Paulo, em Atos capitulo 21, verso 24: “Em nada tenho a minha vida por preciosa em si mesma, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para anunciar o evangelho da graça de Deus”.

Ele (Jesus) morreu para que os que vivem (nós) não vivam mais para si mesmos, mas por Aquele (Jesus) que por nós morreu e ressuscitou. Esta é uma ótima chance – o dia de hoje – a qual temos para voltar aos átrios da casa do Pai, e andar intimamente com o Senhor, o Querido Deus, até o dia em que Ele nos levar para estar com Ele, aonde ele estiver.

Ainda acredito em um mundo no qual reine o amor, a fidelidade e a paz. Um mundo onde não exista mais qualquer espécie de males; um mundo onde as familias sejam preservadas, os relacionamentos sejam sinceros e firmados no afeto. Um mundo onde exista o respeito pela vida e pelo próximo. Um mundo onde as palavras que saem da boca de cada pessoa sejam cordiais, amorosas e edificantes.

Que esta possa ser também a nossa oração, todos os dias.

SALMO 24


Salmos 24:1 Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.

Salmos 24:2 Porque ele a fundou sobre os mares, e a firmou sobre os rios.

Salmos 24:3 Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo?

Salmos 24:4 Aquele que é limpo de mãos e puro de coração; que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente.

Salmos 24:5 Este receberá do Senhor uma bênção, e a justiça do Deus da sua salvação.

Salmos 24:6 Tal é a geração daqueles que o buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó.

Salmos 24:7 Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.

Salmos 24:8 Quem é o Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na batalha.

Salmos 24:9 Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.

Salmos 24:10 Quem é esse Rei da Glória? O Senhor dos exércitos; ele é o Rei da Glória.

O que vale a pena para você ?

outubro 12, 2009

Após muitos anos trabalhando com carteira assinada, e com a sensação de segurança aparentemente proporcionada pelo emprego formal, finalmente chegou a coragem e a vontade para buscar algo que somente no presente momento soube valorizar: o tempo e a liberdade.

E, realmente, é uma decisão importante, a de largar a “segurança” de um emprego, que no meu caso, não é tão seguro assim, por um trabalho autônomo e sem o tradicional vínculo empregatício. Há momentos em nossa história e, principalmente, há fases de nossa existência em que as prioridades e valor das coisas mudam (quando você chegar nos 30 e tantos anos, irá entender melhor o que estou dizendo), e aí reavaliamos várias coisas, e muitos de nossos antigos valores e tesouros mudam de lugar na escala de importâncias de nossas vidas.

Recebi uma oportunidade praticamente “de ouro”, para trabalhar meio-período, por um tempo indeterminado (de no mínimo 1 ano), que me fará escalar velozmente em termos profissionais e técnicos – algo que estou precisando com extrema urgência. Trabalhar em casa, por meio-período, e ganhar um excelente rendimento é realmente uma oportunidade que parece ter caído dos céus. O emprego com carteira assinada é um bom negócio, sim, em muitas situações, mas conforme nossos horizontes vão expandindo-se e quando passamos a compreender algumas coisas que movem o mundo, especialmente no que diz respeito ao significado das palavras segurança e liberdade, e em quê depositamos nossa confiança, alguns conceitos passam a ter novos sentidos, e é nesta descoberta que encontro-me vivendo.

A vida é como um passeio, no qual podemos passar por bons e maus momentos, e como todo passeio, têm começo, meio e fim. É um passeio que termina bastante rápido. Alguns de nossos sonhos, às vezes, são protelados por anos e anos, e corremos constantemente o risco de deixar passar o tempo certo. Aprendi algo: devemos buscar os nossos sonhos hoje, e não amanhã. Isso porque o ontem virou história, e o amanhã não existe, e o hoje é uma dádiva – por isso é chamado “presente” (frase tirada do desenho “Kung-Fu Panda”). Eu decidi assumir um risco substancial, quando resolvi investir pesadamente em uma empresa como a minha (hospedagem de sites), e refleti diversas vezes, quando observei o montante a ser gasto para constituir a empresa, tanto em seus aspectos técnicos, como administrativos. Ao contemplar os valores, lembrei do quanto eu tinha que trabalhar para obter aquelas cifras. A primeira coisa que se passa em nossa cabeça é: – “Oh, mas e se não der certo ? Trabalhei vários anos para economizar este dinheiro ! E se eu perder tudo ?”.

Realmente, tal idéia é apavorante. Demorei para entender que o fracasso é uma possibilidade, assim como a vitória também é uma possibilidade, porém ambos somente são possibilidades daqueles que têm a ousadia de arriscar. Eu nunca tinha arriscado nada em minha vida. Essa mesma vida estava tornando-se cada vez mais efadonha. O emprego formal assegurava-me uma certa tranquilidade, e eu realmente sentia-me bem em perceber que eu tinha um salário fixo garantido no final do mês, e independentemente de trabalhar ou não (muito ou pouco), lá estava o meu ordenado no dia certo. Finalmente, após 10 anos, toda a “segurança” da qual eu imaginava desfrutar veio à baixo, com uma simples troca de prestador de serviços pela Santa Casa. E, ao mesmo tempo, percebi que a tragédia não era ter perdido o lugar para uma outra empresa, mas sim privar à mim mesmo daquilo que é fundamental para desempenhar qualquer trabalho: conhecimento.

Depois de tanto tempo trabalhando com a mesma tecnologia e sem atualização técnica, permiti que fosse criada uma ilha em minha vida, e não ter investido em mim mesmo foi o maior dos erros e a pior coisa que poderia ter acontecido em termos profissionais. Somente depois de muito tempo é que fui entender que, a segurança da qual eu imaginava estar na Santa Casa ou na carteira assinada era ilusória. A segurança estava, ou deveria estar, em mim mesmo. Esta visão potencializou-se na medida em que fui construindo novas amizades – gente empreendedora e que auxiliou-me no decorrer de minha vida; gente impetuosa e corajosa, pessoas que arriscaram e provaram que a vida é mais do que estabilidade e segurança. Já em São Paulo, depois de algum tempo trabalhando na empresa, percebi o mesmo cenário, com pessoas atônitas e vivendo sob constante tensão, pelo temor de perderem seus empregos estáveis. A maioria destas pessoas tinham algo em comum: vários anos de permanência no mesmo emprego, o que os levava para uma situação perigosa de conforto e de acomodação.

Após alguns meses depois que eu tinha entrado na empresa, houveram vários colegas novos – inclusive de menor idade do que eu – que foram admitidos na empresa e que já saíram de lá. Esta convivência, com variados tipos de pessoas, de idades contrastantes e com vivências diferentes, mostram à mim e a outras pessoas mais maduras que a verdadeira segurança e base para sustentação não está em um emprego naquela ou em qualquer grande empresa, e em seus inúmeros benefícios – que naturalmente são sem sombra de dúvida importantíssimas – mas sim estaremos firmes e sustentados quando temos o conhecimento suficiente para sermos úteis e produzir, dependendo só de nós mesmos. Um exemplo disso são as dezenas ou centenas de vagas que todos os dias são abertas, especialmente no ramo de tecnologia, e que invariavelmente não são supridas por falta de mão-de-obra qualificada.

Tenho amigos pessoais com mais idade do que eu, onde um deles por exemplo, após trabalhar como motorista de caminhão, voltou a empregar-se no setor de informática. Um dia, eu entendi que somente olhamos para onde queremos olhar, e percebi que eu apenas estava olhando para as derrotas, e não queria olhar para as conquistas. Hoje, posso afirmar que estabilidade não é mais o que procuro, mas com isso não quero dizer que ninguém deva procurar. Quero dizer que na vida há fases, em que nossos focos mudam, e nossas metas estão em constante alteração. Hoje, alcancei um determinado grau de vivência e de entendimento da vida, e pela graça e misericórdia de Deus, muita coisa foi possível de ser conquistada, pela condição diferenciada e favorável na qual trabalhei por tantos anos. Na atual fase de minha vida, o tempo tornou-se muito mais importante do que, por exemplo, há 10 anos atrás, quando olhamos para o futuro e vemos uma estrada interminável pela frente. É com muita alegria e alívio que digo isto, porque nas constantes mudanças em nossas vidas, percebo o quão maravilhosa é esta dádiva chamada “vida”, e é essencial aproveitá-la, cada minuto, em sua plenitude.

Por alguma razão que desconheço, ou por uma conjunção de fatores, aprendi a valorizar em extremo a utilização do tempo, e deste tempo com qualidade. A família, os amigos, a convivência com os entes queridos, a apreciação da natureza, das pessoas, de nossos dons e talentos, a dedicação do nosso coração naquilo que amamos, enfim, é disso que estou falando. Sei que isso tudo pode soar meio poético, mas refiro-me somente à aproveitar e viver a nossa vida com intensidade e com um real senso de propósito e de utilidade. É buscar colocar o nosso coração por inteiro em tudo aquilo que fazemos. É lembrar da brevidade e da fragilidade de nossas vidas, a ponto de contentar-mos em viver com aquilo que for suficiente e o bastante, e colocar todas as nossas forças e toda a nossa energia naquilo que realmente importa para nós.

É nessa fase que encontro-me e é nesse momento pelo qual estou atravessando – a ânsia de não mais deixar com que o tempo, que é finito e passa rápido para todos nós, se passe sem que tenhamos a chance de viver TUDO aquilo que gostaríamos de ter vivido e que depois poderemos nos arrepender, e de não mais ter a chance de recuperar aquilo que não voltará.

————————————————-

Neste mundo tenebroso

outubro 10, 2009

Quando dei por mim, estava vivendo um mundo o qual não conhecia. Um mundo onde as pessoas enganam as outras, onde somos injustiçados e prejudicados por interesses mesquinhos e egoístas. Após quase 30 anos de vida, perguntei a mim mesmo: – “Que mundo é este ?”.

Sempre tive a impressão de que o mundo era um lugar tranquilo, seguro, repleto de pessoas amigas, pacíficas e companheiras. Sempre vivi e trabalhei em uma cidade pequena, e em um ambiente tranquilo, durante mais de 10 anos. Quando fui pela primeira vez começar uma nova vida na cidade grande, percebi como tudo era diferente daquilo que eu estava acostumado.

Comecei a ter contato com pessoas de maior experiência e vivência do que eu, e assim fui entendendo melhor as pessoas e a natureza do ser humano. Mas, antes disso, a própria vida encarregou-se de trazer algumas tristezas, que me permitiram entender que o mundo não era um lugar tão belo e nem repleto de pessoas amáveis e íntegras, como eu imaginava.

Quando as lágrimas caíam, cada vez mais nascia uma nova criatura, e o amadurecimento verdadeiro começava a acontecer. Entendi que não bastava somente que o tempo passasse; era importante enfrentar a dor e o sofrimento, para que o caráter fosse aperfeiçoado e a personalidade fosse moldada.

Ainda acredito que o ser humano, todos sem exceção, podem tornarem-se criaturas completamente capazes de amarem-se uns aos outros e buscar a paz e a amizade com todos os seus semelhantes. De alguma forma, sei que ainda há salvação e recuperação para todas as pessoas, bastando que para isso busquemos o verdadeiro sentido de nossa existência.

Existe um por quê e uma razão de estarmos aqui, hoje. Não vivemos e existimos por acaso. A fragilidade de nossas vidas demonstra o quanto somos pequenos e semelhantes a uma gota d´água no oceano. Se pudermos compreender esta realidade, podemos retornar para uma real finalidade e missão, que cada um de nós possui.

Você, querido leitor, que está observando estas palavras, se ainda não teve a oportunidade para refletir sobre este assunto, comece a pensar por apenas um momento sobre sua vida e o quanto somos necessitados de companhia, de carinho, de amizade e de respeito, e além disso, de como necessitamos compreender as outras pessoas e de sermos compreendidos.

Quando passamos a fazer à outras pessoas aquilo que gostaríamos que fizessem conosco, temos a chance de vivenciar uma verdadeira mudança em nós e naquelas que nos cercam. Este efeito positivo é multiplicador e alcança nossa sociedade, tanto próxima quanto distante. Assim, seremos os responsáveis pelas mudanças que farão de nós e, consequentemente, do mundo em que vivemos, um lugar melhor formado por pessoas melhores, para nós e para aqueles que virão depois de nós.

Perguntas sem respostas: Por que justo comigo ?

outubro 8, 2009

Existem momentos na vida em que nos deparamos com situações difíceis e desesperadoras, nas quais não encontramos saída ou respostas. São situações ligadas ao nosso convívio com as pessoas, com a nossa saúde ou com qualquer outra área da vida e de relacionamentos.

Em muitos desses momentos, nos questionamos do porquê determinado problema acontecer conosco, enquanto as demais pessoas são consideradas normais ou não enfrentam tamanhos problemas. Será que esta pode ser a sua situação ?

Muitas vezes, nos indignamos com a sorte alheia, e em diversos momentos temos a tendência de comparar-nos à outras pessoas, julgando-as por aquilo que as pessoas são ou fazem, e geralmente colocando à nós mesmos em uma condição de “melhores merecedores”, ou de pessoas que seriam mais dignas de serem presenteadas pela vida. O fato é que a vida não escolhe melhores nem piores, e nem ao menos somos mais ou menos merecedores de sorte ou de benefícios.

A própria vida se encarrega de colocar barreiras, maiores ou menores, para todos nós. De acordo com nossa estatura emocional e psicológica, cada um de nós enfrentamos as dificuldades de formas diferentes. Ao invés de nos perguntarmos “por que ?”, precisamos colocar nosso foco e atenção em ultrapassar nossas dificuldades e superá-las, pois nós somente enfrentamos dificuldades que são exatamente do mesmo tamanho de nossas forças; assim, quanto maior é a sua dificuldade, mais fortalecido você está para enfrentá-la.

Imagine

outubro 7, 2009

Imagine um mundo onde todas as pessoas se arrependessem dos males praticados a seus semelhantes, e pedissem perdão. Imagine um mundo onde todos os pobres e oprimidos tivessem suas dívidas esquecidas e apagadas. Imagine um mundo onde o arrependimento, seguido de perdão, fosse praticado entre todos os povos.

“Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o e, se ele se arrepender, perdoa-lhe.” (Lc.17:3)

Um mundo melhor é possível, quando houverem pessoas melhores no mundo, capazes de perdoar e de serem perdoadas. Um mundo melhor surgirá quando nós buscarmos o genuíno e completo arrependimento, seguido de perdão.  Teremos um mundo melhor quando cada um de nós ceder espaço para a prática do Amor e da benevolência, as quais vêm dAquele que nos amou primeiro.